Logo Saude Na Cozinha

SAÚDE NA COZINHA

O Projeto saúde na Cozinha nasceu depois de escrever meu livro Ecologia Celular – o papel da alimentação e do meio ambiente no envelhecimento e na longevidade.

Meus pacientes e leitores se depararam com problemas adicionais.

Como aplicar os conceitos do livro? O que vou comer agora? Dentre outros.

A missão do Projeto Saúde na Cozinha é auxiliar àqueles que queriam dar este passo além no controle de suas vidas.

Alguns podem achar que, pelo fato de não cozinharem, este curso não é para eles. Ledo engano!

Mesmo para quem não se aventura no mundo das panelas, saber o que comer, como preparar e encontrar os ingredientes corretos são requisitos fundamentais para a recuperação e manutenção da saúde.

Na verdade, tenho a convicção de que só é possível manter a saúde quando a sua comida é preparada em sua própria casa. Este é o mais importante diferencial para sua saúde.

Só assim você pode garantir que o óleo utilizado no preparo é de babaçu ou coco, que o caldo do risoto não contém glutamato, que o refogado foi feito com manteiga, que o tomate e os outros vegetais são orgânicos, que foram lavados criteriosamente para ficarem livres de pesticidas e parasitas, que a comida não foi preparada no forno de micro-ondas…

Enfim, você toma parte de todas as etapas da preparação do que você come.

Há ainda o fato de que cozinhar é também uma maneira de render homenagem às coisas que estamos comendo, aos animais e plantas sacrificados para satisfazer nossas necessidades e desejos, assim como aos lugares e às pessoas que os produziram.

Cozinhar é um modo de celebrar tanto a espécie como nossa relação com ela.

Saber cozinhar e ser capaz de assumir a responsabilidade pela própria alimentação deveria estar entre as habilidades elementares de todo ser humano. Quem ainda não desenvolveu essa capacidade está em fase de crescimento, ainda não se tornou uma pessoa autônoma.”

Esta frase está escrita em dois artigos na revista digital Papo de Homem, e foi escrita por uma mulher. Vale a pena uma visita:

http://papodehomem.com.br/cozinhar-e-gozar-e-so-comecar/

http://papodehomem.com.br/pra-cozinhar-muito-bem-ha-que-se-comecar-com-uma-ajuda/

Outros dois sites fundamentais sobre o assunto estilo de vida e alimentação são os do casal Alexandre & Pat Feldman (www.enxaqueca.com.br e www.criancasnacozinha.com.br). E para aqueles que acham que comer saudavelmente restringe suas opções sugiro a leitura deste brilhante artigo: http://pat.feldman.com.br/2010/07/19/alimentacao-restrita/

Participar de nossos projetos fará com que você dê um passo importante na direção de restabelecer uma relação saudável com os alimentos. O que pretendemos é dar-lhe instrumentos para que possa tomar suas próprias decisões sobre o que é comida saudável para você e seus filhos.

É claro que não é uma tarefa Fácil, pois não é fácil fugir dos tentáculos arraigados em nossa cultura – crescemos neste meio (e aprendemos a comer mal com nossos pais), mas também somos bombardeados todos os dias com propaganda direta (televisão) ou indireta (a palavra dos cientistas),

Mas essa fuga é possível.

No livro Ecologia Celular (www.ecologiacelular.com.br) cito 10 passos importantes nesta direção:

Bowl Com Frutas x Bowl com Cereais

1. Coma comida.

Aprenda a distinguir alimento de produto alimentício.

Se ficar em dúvida, pense: meu bisavô comia isto? Pode ser útil, principalmente quando você se vir diante de uma barra de cereais, de um iogurte desnatado, ou de uma pizza semi-pronta e se perguntar: “Isto é comida?”.

2. Evite os produtos que se dizem saudáveis.

São alimentos altamente processados e a chance de serem realmente saudáveis é mínima.

A margarina foi um dos primeiros alimentos – alimento? – a advogar para si o rótulo de mais saudável do que o alimento tradicional que ela substituiu: a manteiga;

hoje sabemos que não é bem assim.

Quando um produto vem abençoado com o rótulo de “bom para o coração”, o mínimo que você pode fazer é desconfiar.

Não interprete o silêncio dos brócolis como um sinal de que eles nada têm a ver com a sua saúde.

3. Evite produtos contendo ingredientes que são

a) pouco conhecidos;

b) não pronunciáveis;

c) mais de cinco em número;

Também fuja dos produtos que contenham xarope de frutose de milho e glutamato monossódico.

São sinais de que foram altamente processados e que tiveram destruídas suas propriedades benéficas.

4. Cuidado no supermercado.

Fuja das prateleiras cheias de caixinhas, comece pela seção de legumes e vegetais; prefira-os orgânicos, mas não se esqueça de que um vegetal não orgânico ainda é mais saudável do que uma caixa de cereais orgânicos.

Dê preferência aos produtos locais e da estação, que não foram colhidos há muito tempo e nem vieram de longe.

5. Pague mais.

A indústria de alimentos dedicou um século inteiro para produzir mais a menores preços, mas não para melhorar a qualidade do que comemos.

Não há como escapar desta regra: o melhor alimento, seja pelo gosto seja pela qualidade nutricional (e que frequentemente estão juntos), custa mais, pois foi produzido sem facilitadores ou promotores de crescimento – e com mais cuidado.

Nem todo mundo tem recursos para comer corretamente, mas muitos podem e não comem.

Pagar mais por alimentos mais saudáveis (orgânicos ou não) contribui para sua saúde.

6. Coma menos.

Esta é a recomendação mais fácil de ser seguida.

Há uma relação direta entre longevidade e menor ingestão de calorias: coma menos e viva mais.

Adquira o hábito de parar de comer antes de estar plenamente saciado. Você também perceberá que alimentos integrais e de melhor qualidade saciam mais.

Saude na Cozinha: Caçarola com Vegetais

7. Coma vegetais, principalmente folhas.

Os cientistas podem discordar sobre por que os vegetais são benéficos: antioxidantes? Fibras? Ômega 3? Mas concordam que eles são realmente bons para nós e, com certeza, não nos fazem mal.

Ao comer mais vegetais, você consome menos Calorias. Lembre-se, somos onívoros.

Isso significa que comer vegetais nos deixa mais saudáveis, mas comer carnes e vegetais nos trazem maiores benefícios.

O melhor conselho é: coma carne mais como um complemento do que como ingrediente principal.

8. Resgate o padrão cultural.

Observe como comem as culturas tradicionais e procure sinais que expliquem por que são saudáveis. Observe o que eles comem, mas também o que eles não comem.

O que mantém os franceses saudáveis são seus hábitos dietéticos: pequenas porções, não beliscar entre as refeições e o prazer de comer.

Isso significa dizer que comer deve ser fonte de prazer e não de punição. Povos longevos incluem fermentados e sua alimentação. Se você está comendo corretamente não deve ficar preocupado com as calorias se eventualmente sair da dieta habitual.

Inverta o processo: em vez de comer um doce e pensar em passar 1 hora a mais na academia amanhã, estabeleça uma meta e ao alcançá-la dê um doce de presente para você.

Por fim, não deixe a ciência ser seu guia; alimento é comunhão e não mero meio de se obter combustível rápido e barato.

9. Cozinhe.

10. Coma como um onívoro.

Amplie seu cardápio e evite a monotonia alimentar.

Quanto mais espécies você come, maior será sua base nutricional. Monoculturas exigem maiores quantidades de fertilizantes químicos e pesticidas.

Diversificar, no campo e em nosso prato, significa menos substâncias químicas, solos, plantas, animais e, por fim, pessoas mais saudáveis. Tudo está interligado e você já sabe disso.

Por tudo isso, é um erro pensar que nossos cursos vão ajuda-lo a perder peso, mas esse é um adorável efeito colateral. Na verdade, nosso objetivo é ajuda-lo a incorporar de forma prática um estilo de vida cada vez mais saudável, e isso começa pela alimentação e cuidado domiciliar.

Quem ganha com isso? Você e sua família.

Nossos projetos:

Saúde na Cozinha é um projeto muito maior, que inclui o curso ao pé do fogão (Em breve Online), mas se complementa com outros serviços. Todos os serviços oferecidos por nós têm objetivos comuns:

  • A preparação de pratos desintoxicantes, dicas para quem deseja perder peso e como mudar seu estilo de vida.
  • Dicas na preparação dos pratos para driblar a intolerância ao glúten e à lactose.
  • Lista de alimentos que deveriam estar sempre incluídos no cardápio de adultos, gestantes, bebês e crianças.
  • Lista de alimentos que não deveriam ser utilizados rotineiramente.
  • Onde encontrar alimentos saudáveis: conheça o seu fornecedor.
  • Análise de utensílios para armazenamento e preparo, segundo critérios saudáveis, incluindo uma lista de sugestões.
  • Análise dos métodos de preparo dos alimentos.
  • Análise e sugestões das melhores formas de conservação, de modo a maximizar os nutrientes.
  • Informação, conhecimento e motivação.
  • Fórum via internet para interação dos participantes no tocante à alimentação.
  • (Re)Conciliação do Sabor com a Saúde.

Veja abaixo um resumo do que oferecemos:

1. Curso Saúde na Cozinha

O papel da alimentação é fundamental para a nossa saúde e cada dia mais sabemos e sentimos que a desorganização no estilo de vida impacta gravemente a nossa saúde. A alimentação é um projeto que não pode ser deixado para depois, ou para entrar novamente na lista de metas para o ano que vem.

Alimentos frescos, orgânicos, de procedência conhecida são fundamentais, mas uma preparação cuidadosa de maneira a preservar as propriedades nutritivas dos ingredientes, tem importância decisiva para a saúde de adultos e crianças.

Este é um encontro criado para ajudar você a tornar fácil (e possível) a tarefa mais importante de todas: cuidar da sua saúde e de sua família.

Saúde na Cozinha não é um curso de culinária comum.

  • É um encontro saboroso e irreverente, onde mostramos como preparar as receitas desde a escolha dos ingredientes frescos e orgânicos, ao mesmo tempo em que explicamos a importância de cada item.
  • Você irá se surpreender ao descobrir que uma alimentação saudável pode ser deliciosa.
  • É um momento em que compartilhamos nossa experiência prática de alimentação no dia-a-dia e a nossa vivência da maternidade e paternidade, que vai muito além da escolha de alimentos.   
  • E prepare-se para mudar paradigmas: muitas atitudes que você considera saudáveis, na verdade, impactam sua saúde.
  • Nele abordamos temas como:
  • Alimentos Orgânicos: serão todos eles saudáveis?
  • Quais são as gorduras saudáveis?
  • Colesterol faz mesmo mal ao coração?
  • Como preparar grãos e cereais da maneira correta?
  • Quais os produtos que deve estar na despensa; e o que não deveria estar lá.
  • Salmão é tão saudável assim e carne faz mal?
  • Por que devemos incluir os fermentados em nossa alimentação.
  • A maneira como você prepara os alimentos aproveita todos os seus nutrientes ou os destrói?
  • Você ainda acredita que a soja é um alimento saudável?
  • Além de sair do curso com uma lista de receitas práticas que podem ser feitas com facilidade.

2. Programa Domiciliar

Aqui o atendimento é personalizado e incluiu a visita à sua casa. Este programa nos permite:

  • Identificar erros na escolha dos alimentos;
  • Estabelecer lista de compras com foco na qualidade nutricional;
  • Dicas de utensílios e equipamentos;
  • Estabelecimento de um cardápio adequado ao gosto e às necessidades de cada família (idade, estado de saúde etc.);
  • Preparação de três pratos a sua escolha, ensinando o passo a passo, podendo congelá-los para outra ocasião.

3. Consultoria Alimentar

É o programa domiciliar que se estende por vários meses com acompanhamento até que a reeducação alimentar aconteça.

Quer acompanhar de perto nosso trabalho?

Acompanhe nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/projetosaudenacozinha/

Quer saber mais sobre nossos projetos?

Contate-nos através do e-mail contato@ecologiacelular.com.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.