Hérnia de disco e a Quiropraxia

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

O disco intervertebral é uma parte da coluna vertebral que tem recebido muita atenção nos últimos anos. É uma estrutura localizada entre as vértebras. Por estar entre as vértebras é chamado de disco intervertebral. O disco consiste de duas partes: uma parte externa, dura e fibrosa – o anel fibroso – e uma parte central, gelatinosa – o núcleo pulposo.

O disco intervertebral executa muitas funções. Separa uma vértebra da outra e atua como um amortecedor de impacto entre os ossos. Além disso, ajuda a moldar as curvas normais da coluna vertebral. Existem 23 discos em nossa coluna vertebral, e eles estão relacionados à nossa altura. De fato, pela manhã, após uma noite de sono, somos cerca de 1 a 2 cm mais altos que no final do dia anterior. Isto corre devido à perda de água que é normal durante o dia, e que é recuperada enquanto dormimos.

O disco intervertebral e as dores na coluna

As lesões do disco são uma das causas mais comuns de dores nas costas. Você pode se surpreender, mas as pesquisas mostram que degenerações discais já são evidentes por volta dos trinta anos de idade. Desde a adolescência o disco sofre desidratação permanente, perde progressivamente sua capacidade de absorção de impacto e pequenas fendas começam a se formar nas paredes externas. O núcleo pulposo começa a protruir ou abaular e empurrar o anel fibroso. Se esta protrusão for muito grande, pode pressionar a medula espinhal ou os nervos que saem dela pelos orifícios laterais (forames intervertebrais), provocando dor severa às mais variadas atividades (sentar, levantar, andar, levantar objetos, urinar, defecar, espirrar, tossir), fazendo com que a simples movimentação do corpo seja muito difícil ou impossível. Nos casos extremos, podem ocorrer dormência das pernas ou pés e a perda do controle muscular.

A degeneração do disco também pode interferir com a função dos nervos lombares e sacrais da medula espinhal, ocasionando uma série de problemas na área pélvica. Não é raro que alguém que tenha problemas crônicos nas costas sofra também de um ou mais problemas nos órgãos pélvicos.

A abordagem médica x quiroprática

A abordagem médica para os problemas do disco frequentemente é uma combinação de analgésicos e anti-inflamatórios, relaxantes musculares e fisioterapia. Mas não é incomum a indicação de tratamento cirúrgico mesmo antes de se tentar qualquer abordagem não invasiva.

Se os tratamentos prescritos fracassam, então a cirurgia passa a ser considerada. Mas, nem sempre os resultados são animadores. Todos nós conhecemos alguém que se submeteu a mais de uma cirurgia, ou que foi operado e não resolveu seu problema.

As pesquisas mostram que o tratamento quiroprático é a uma maneira eficaz para auxiliar no tratamento clínico da hérnia de disco. Mas mesmo aqueles que se submeteram a uma cirurgia no passado podem se beneficiar do tratamento quiroprático. Isto significa que nunca é tarde para impedir a necessidade de futuras cirurgias.

Deixe uma resposta