AS PRINCIPAIS RAZÕES QUE PODEM EXPLICAR POR QUE VOCÊ NÃO ESTÁ PERDENDO PESO

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

A perda de peso não é controlada simplesmente pelo paradigma: calorias consumidas, calorias queimadas. Também não depende apenas de dieta e exercícios. A perda de peso depende de tudo – são os vários sinais que o seu corpo recebe do ambiente que afetam a nossa expressão genética. Como nós lidamos com este fato também importa: nosso humor, nossos hábitos de vida, nosso temperamento, nossas decisões conscientes e nossa força de vontade. É adotar bons hábitos e expulsar os ruins. Acima de tudo, se resume a manter nossos genes felizes ao fornecer um ambiente que se aproxima ao que tinham nossos primeiros ancestrais.

Se você perceber que não consegue perder peso ou pior, ao menor sinal de que está ganhando peso é necessário tomar atitudes imediatamente. Normalmente, isso ocorre quando não diminuiu o consumo de pão, macarrão, batata, refrigerantes, sucos adoçados… ou quando não está fazendo exercícios suficientes. Avalie também se não está retendo líquidos, muito comum nos desequilíbrios hormonais ou em mulheres que fazem uso de hormônios (injetáveis, DIU ou pílulas anticoncepcionais).

Se você está se cuidando e o peso não diminui avalie as principais razões que podem explicar o que está acontecendo com você. Na dúvida, converse comigo.

  1. Você acha que está se alimentando de maneira saudável, mas não está.

A sua dieta consiste, em grande parte, de “produtos”? Quer dizer, você vai ao mercado e seu carrinho de comprar está carregado de caixinhas coloridas e com fotos de alimentos? Você não vai emagrecer se não mudar seus hábitos e começar a comer “comida de verdade”. Litros de refrigerante diet, caixinhas de cereais vitaminados, pães integrais ou não com requeijão light não vão ajudar na perda de peso. Você estará apenas alimentando um vício e consumindo calorias vazias. Esqueça a foto na embalagem, olhe para o produto, cheire-o e preste atenção ao que você está colocando para dentro de seu corpo. Não deve ser muito difícil assumir que esta porcaria não é comida. Fat free, livre de gordura trans, sem glúten, light, diet são apenas slogans de marketing.

  1. Você está sob estresse

O sistema de resposta ao estresse é subconsciente, ele responde ao estímulo e nada mais.O estresse físico, o estresse emocional, o estresse financeiro, o estresse do relacionamento – não dá nem para fazer estas distinções, pois o organismo  não diferencia as origens do estresse. Todos eles causam a produção de cortisol no corpo, hormônio que cataboliza (retira energia) os músculos, agrava a resistência à insulina e promove o armazenamento de gordura. Por 200.000 anos, o estresse significava uma situação de vida ou morte. Era intenso e infrequente, e a liberação de cortisol era extrema o suficiente para melhorar as chances de sobrevivência. Hoje em dia, o nosso corpo responde à uma quantidade enorme de trabalho, da mesma maneira. Engarrafamentos e trânsito são a mesma coisa que uma batalha na guerra. Um chefe tirano é a mesma coisa que um animal te perseguindo, só que neste caso, diariamente. Pare por um momento e reflita sobre a quantidade de estresse na sua vida e o que pode ser feito para minimizá-la – isto pode estar te atrapalhando na perda de peso.

  1. Você precisa controlar a sua ingestão de carboidratos

Os antigos fazendeiros já sabiam: que engordar o gado? Dê carboidratos. Se você não abre mão de seu pãozinho francês quentinho saiba que não perderá peso. Pode no máximo, manter o que já tem, mas perder, nunca. Na relação de alimentos que lhe entreguei muitos deles estão na sessão de “restritos”, ou seja, você deve controlar sua ingesta ao máximo. Isso significa que, enquanto você não chegar ao peso que quer não deveria comer os alimentos da lista. Não caia no conto de “integrais”, pois embora mais saudáveis do que os refinados, continuam sendo carboidratos. Reveja seus conceitos alimentares, pois os habitantes daqui do RS têm o péssimo hábito de evitar o jantar (que deveria ser uma sopa) e fazer um “lanchinho” com café e leite, ou seja, tomam o café da manhã no final do dia.

  1. Você está ganhando músculo

Você não dever ter tanto preocupação com a balança. Elas são úteis nesta fase, mas nunca contam a história toda, ou seja, se você está ou não aumentando sua massa magra. A dieta vai queimar gordura, mas também vai ajudar a construir músculos e melhorar a densidade óssea. Se você está se sentindo bem, mas não tem visto muitas melhoras na balança, é muito provável que esteja adquirindo músculos e fortalecendo seus ossos, principalmente se aumentou a atividade física. É por isso que a cada consulta eu meço a cintura e o quadril. Quando se perde 10cm no abdome significa que 30% da gordura visceral (a que mata mais) foi embora. E isso é motivo para comemoração.

  1. Você não está fazendo atividades físicas o suficiente

Uma caminhada de 20 minutos em dois momentos do dia é melhor do que caminhar 40 minutos. Mude sua maneira de pensar: não busque atalhos, nem tente parar o carro próximo à porta de entrada do marcado ou shopping. Descer dois lances de escada equivale a subir um lance da mesma escada.

  1. Você está chegando perto do Cardio Crônico

Você já tem uma carga de exercícios e percebeu que chegou a um patamar de onde não consegue mais sair? Pode ser que seu organismo tenha se adaptado, o que chamamos de Cardio Crônico. Quando isso acontece é preciso mudar o treino e passar a fazer exercícios intervalados. Converse comigo sobre isso se perceber que seu corpo chegou à este estágio.

  1. Você está ficando muito tempo em jejum

Não há problemas em, eventualmente, pular uma refeição, mas se você faz isso cotidianamente irá fazer com que seu organismo se transforme num poupador, ou seja, irá estocar o máximo de nutrientes… quer dizer, gordura.

  1. Você não abandonou os maus hábitos e desenvolveu bons hábitos

Seja completamente honesto consigo mesmo. Você pratica alguns maus hábitos (por exemplo, ataca um pacote de salgadinho ou batata frita, come pizza, toma refrigerante etc.)? Se sim, identifique-os. Faça uma tentativa, estabeleça planos para se livrar deles e avise as pessoas próximas a você. Torne isso público, para que você não possa voltar atrás sem algum policiamento. Se seu grupo de amigos é composto de gordinhos e gordinhas que não estão nem um pouco preocupados com seus pesos é prudente se afastar deles por um tempo, pois não são as melhores influências para você nesta fase. E lamento dizer que talvez não sejam boas influências nunca mais em sua vida. Encontre o grupo que reconecte você com a VIDA e não com a DOENÇA.

  1. Você não limpou seus estoques.

Fora da vista, fora da mente; fora de alcance, fora da boca. Tire todas as porcarias da sua dispensa e da geladeira. Na verdade, de toda a sua casa e escritório. Pegue sua lista dos alimentos permitidos e elimine tudo aquilo que não se aplica. E programe-se para planejar seu cardápio antecipadamente, pois chegar em casa com fome e pensar no que vai fazer para comer equivale e começar a cavar um poço assim que fica com sede… tarde demais.

  1. Você atingiu uma homeostase saudável

Pode ser que seu corpo tenha atingido o seu peso “ideal” – o seu equilíbrio genético. Atingir este nível não causa dor nem esforço, mas pode não corresponder ao seu nível desejado de peso e em como vê seu corpo. Cuidado ao tentar fazer o “tempo de menina” voltar e colocar como meta aquele corpinho que tinha antes de casar e ter filhos. Você agora é uma mulher, lembre-se disso. As mulheres, em especial, tendem a atingir um equilíbrio saudável com maiores níveis de gordura. Quebrar esta estabilização do peso pode ser difícil, pois exige maior regulação no consumo de carboidratos, níveis de atividade, sono e estresse. Mas prepare-se para aceitar que pode ter atingido uma homeostase saudável. Então, vem a pergunta: você quer mexer com algo que já está bom?

 

  1. Você está com pouca força de vontade

Força de vontade é como um músculo. Precisa ser usada ou atrofia. Você também tem de fornecer combustível para a sua vontade, como pequenas vitórias para começar. Vá fazer uma caminhada se você não tem vontade de ir à academia. Perceba que a força de vontade, ou a falta dela, pode ser um indicador das necessidades do seu corpo. Se você realmente não consegue se motivar a ir à academia, pode ser que o seu corpo precise descansar. Quando este é o caso, treinar demais pode ser muito pior do que a falta de força de vontade.

  1. Você está cheio de desculpas

Se você se encontra tendo discussões consigo mesmo durante o dia (e você sai perdendo) ou (pior ainda) mentindo para si mesmo sobre o que está comendo e fazendo, você está cheio de desculpas. É hora de parar de achar que tudo é difícil e realmente se concentrar nos benefícios. Mesmo com pouco tempo para se exercitar, para cozinhar ou para cuidar de si mesmo, é possível adequar-se a um estilo de vida saudável. Basta um pouco de planejamento.

  1. Você não está dormindo o suficiente

Níveis crônicos da deprivação do sono causam a liberação de cortisol (estresse) que produz acúmulo de gordura. O maior pico sanguíneo do hormônio de crescimento (que queima gordura) ocorre durante o sono profundo. Tenha, pelo menos, de 7 a 8 horas de sono por noite.

  1. Você não deu o tempo suficiente

Seus novos hábitos de vida irão levar um tempo até induzir mudanças em seu metabolismo. Minhas orientações são para fazer com que o corpo passe a queimar gordura, mas não existem atalhos. Algumas pessoas têm resultados imediatos ao eliminar grãos e cereais, açúcar e óleos vegetais, enquanto outras levam um tempo maior para se adaptar e, a partir daí, a perda de peso começa. De qualquer maneira, o que estou lhe propondo é uma mudança radical em seu estilo de vida. Qualquer dieta louca irá fazer você perder peso, mas é provável que volte a ganhar todo o peso perdido logo em seguida.

  1. Você ainda não se tornou um comedor consciente

Muitas pessoas possuem o péssimo hábito de fazer uma infinidade de coisas enquanto come. Isso significa que a atenção está em qualquer outra coisa, menos na comida. Come enquanto vê TV, enquanto dirige, enquanto cozinha… Em outras palavras: um comedor inconsciente. Come como se estivesse respirando. Quando faz isso acaba por não mastigar, mas apenas engolir o que está no prato (ou saquinho). O resultado não pode ser outro: come demais por não ficar saciado e… ganha peso. Leia novamente o material que lhe dei logo nas primeiras consultas. Se não encontrar, peça outra cópia, mas por favor, pare com isso imediatamente.

  1. Você está comendo comidas “que dão prazer”

Novamente, este assunto foi abordado no mesmo material que citei acima, há alguns meses. Comidas que dão “prazer” são, normalmente, comidas produzidas por uma empresa exatamente para isso: provocar a sensação de prazer. Você não sabe, mas acabou de se tornar uma cobaia (para não dizer um ratinho de laboratório) dos departamentos de engenharia de alimentos e do marketing das empresas. Há um artigo muito interessante sobre este tema que pode ser visto aqui: http://revistaepoca.globo.com//Sociedade/eliane-brum/noticia/2013/03/acucar-sal-e-gordura-engrenagens-da-junk-food.html

  1. Você está comendo pouco

Sim, já conversamos sobre isso. Comer menos do que seu metabolismo necessita, o que ocorre no jejum prolongado, nas dietas malucas ou no simples hábito de ficar sem café, ou almoço, ou jantar. Isso pode dar certo se feito ou dia ou outro, mas se feito diariamente acaba produzindo um efeito contrário. Seu corpo irá diminuir o rendimento metabólico para se adaptar à falta de nutrientes. Resultado, não perde peso, mas em compensação, perde sua saúde. Se seu problema fosse somente comer menos os resultados já deveriam ter aparecido, não acha?

  1. Você está sob estresse oculto

Eis outro tema do qual tratamos lá atrás, naquele mesmo material e no item 2 logo acima. Qualquer situação de estresse libera cortisol e boicota sua perda de peso. Nem sempre é fácil identificar o que está provocando esse estresse, senão ele não seria oculto. Converse comigo sobre isso. Quem sabe não está na hora de você considerar fazer algo que lhe dê prazer (não, comer está fora de cogitação). Pode ser pintar, cantar, dançar… ou fazer um passeio na praia ou numa cachoeira… pode ser ir ao cinema uma ou duas vezes no mês… Qual foi a última vez que você fez algo para você?

  1. Você está tão focado na dieta e no peso que perdeu a conexão com o restante de sua vida

Obsessão não faz bem a ninguém. Se você passa horas pesquisando sobre nutrição, perde horas de sono tentando descobrir se está faltando magnésio ou vitamina D em seu tratamento, visita vários médicos e nutricionistas para saber se deve fazer exercícios duas ou três vezes na semana. Pare já com isso e vá curtir a vida. Se você está seguindo minhas recomendações desde o início já deve ter percebido que sua saúde melhorou, mesmo que o peso não tenha chegado ao nível que deseja. Então, tente relaxar para não colocar mais estresse em sua vida (vide o item anterior).

  1. Seus horários de alimentação estão desordenados

Há evidências científicas suficientes para indicar a necessidade de manter uma regularidade nos horários de alimentação. Não há problema em pular uma refeição ou almoçar mais tarde por conta daquela reunião com um cliente, mas fazer disso um hábito boicota seus esforços em perder peso e se tornar mais saudável. Se você não é dono de sua própria agenda, pode incluir isso em sua lista de estressantes ocultos.

  1. Você já alcançou seu peso ideal e está querendo perder mais

Pode ser que você esteja tentando fazer cair sua reserva de gordura para 4,5% e seu corpo não acha isso uma boa ideia. Talvez seu corpo seja mais inteligente do que você imagina e simplesmente está tentando lhe dizer: está bom! Em vez de focar em números preste atenção em como você está se sentindo.

Por fim:

  1. Você não sabe por onde começar.

Nem todos sabem por onde começar, principalmente se não têm exemplos para se inspirar. Livros e programas de TV pode ser um bom começo. Traga suas dificuldades e discuta-as comigo, para que eu possa sugerir alternativas. E se você sente que precisa de uma ajuda especializada, entre em contato com a Daniela Lopes Nunes no (51) 9184.9069 e converse com ela sobre nossos Programas Domiciliares. Periodicamente, fazemos cursos chamados de Saúde na Cozinha. Fique atento à nossa página no Facebook (https://www.facebook.com/projetosaudenacozinha) ou mande um email para nós pedindo para ser avisado sobre os próximos encontros (carlos.braghini@gmail.com ou dlnquiro@gmail.com).

 

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.